Connect with us

Geral

Nova cirurgia em Bolsonaro está marcada para as 10h30 em São Paulo

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro se submeterá hoje pela manhã a uma cirurgia para a retirada de um cálculo vesical (pedra na bexiga). A intervenção médica deve ser realizada no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, às 10h30. A tendência é a de que o procedimento não seja tão invasivo e não haja a necessidade de um corte na bexiga do mandatário. Para extrair a pedra, a equipe médica deve recorrer a uma cirurgia conhecida como cistolitotripsia. Este método permite que um tubo fino siga através do canal da uretra até chegar à bexiga, onde a pedra será fragmentada com a ajuda de um laser.

Segundo urologistas ouvidos pelo Correio, uma cirurgia menos agressiva é o mais recomendado para o caso do presidente, considerando o tamanho do cálculo que Bolsonaro afirma ter. No início do mês, ele comentou que estava com uma pedra na bexiga “maior do que um grão de feijão”.

As causas para a aparição de um cálculo vesical variam. A pessoa pode já ter predisposição à formação de pedras, mas existe a possibilidade de o cálculo ter sido formado no rim e se deslocado à bexiga. Além disso, a pedra pode aparecer devido a algum grau de retenção urinária ou por acúmulo de urina na bexiga.

O problema mais frequente causado por um cálculo vesical é a dificuldade para urinar. A pedra na bexiga entope a uretra e, com isso, o paciente acaba sentindo dores para expelir a urina. Outro reflexo da doença é a interrupção do jato urinário. Dessa forma, a retirada do cálculo é fundamental para evitar que a pedra cresça dentro da bexiga, comprometendo ainda mais o sistema urinário, ou para que o paciente desenvolva algum tipo de inflamação mais grave, que em determinados casos pode evoluir para uma septicemia.

“Se o cálculo crescer bastante, pode acontecer de a cirurgia a laser não ser possível. Sendo assim, o paciente teria de se submeter a um procedimento aberto, que é mais traumático”, explicou o urologista Omar Fakhouri, membro da diretoria da seccional do Distrito Federal da Sociedade Brasileira de Urologia.

Segundo o especialista, como alguns homens com cálculo vesical não apresentam sintomas, é fundamental um acompanhamento médico. “A avaliação do sistema urinário como um todo é muito importante para a pessoa ver se tem predisposição a cálculo renal e investigar se tem algum grau de retenção urinária na bexiga. O cálculo na bexiga, como qualquer cálculo em qualquer parte do trato urinário, pode levar a infecções”, alertou.

De acordo com a assessoria de imprensa da Presidência da República, a previsão é a de que Bolsonaro receba alta, no máximo, até domingo. Contudo, caso o procedimento transcorra sem grandes complicações, o presidente pode ser liberado ainda hoje. “A cistolitotripsia, por se tratar de um método minimamente invasivo, tem um tempo de internação menor. A cirurgia dura entre 15 e 20 minutos, dependendo do tamanho da pedra, e o paciente pode ser liberado em duas ou três horas após a conclusão, sem precisar de sonda e já urinando normalmente”, disse o urologista Guilherme Coaracy, da Secretaria de Saúde do DF.

Outros procedimentos

Esse é o sexto procedimento médico realizado pelo chefe do Executivo após a facada levada em 6 de setembro de 2018, durante a campanha eleitoral, em Juiz de Fora (MG). Dentre as intervenções, ele se submeteu a uma cirurgia de emergência em razão de uma complicação causada pela aderência das paredes do intestino, em 12 de setembro de 2018, e teve de retirar uma bolsa de colostomia, em 28 de janeiro de 2019.

Neste intervalo, Bolsonaro também fez uma cirurgia para correção de uma hérnia incisional na região da área atingida pela facada, em 8 de setembro de 2019, e fez uma operação de vasectomia, em 30 de janeiro deste ano.

Cálculo vesical

O termo cálculo vesical refere-se à presença de pedras ou material calcificado na bexiga. Geralmente,
essas pedras estão associadas à urina que permanece parada na bexiga, mas podem aparecer em
indivíduos sem evidência de defeitos anatômicos, infecções ou outras alterações.

A causa mais comum de formação de um cálculo vesical é a obstrução da saída da bexiga.

Dessa forma, a urina fica acumulada. Cristais são formados na urina parada, desenvolvendo cálculos maiores. As pedras podem formar-se dentro da bexiga, ou, então, serem formadas nos rins e chegarem à bexiga e lá crescerem Geralmente, os pacientes relatam dor abaixo do púbis, disúria (dor ao urinar),
intermitência (interrupção do jato de urina), aumento da freqüência da urina, e noctúria (vontade de urinar durante a noite).

Cistolitotripsia

Este procedimento é considerado o menos invasivo. Nele, o urologista utiliza um aparelho chamado cistoscópio, que possui uma câmera na sua extremidade. Ele é introduzido no canal do pênis, a uretra, até chegar à bexiga. Com as imagens fornecidas pelo cistoscópio, o urologista consegue identificar onde o cálculo está localizado e, assim, pulverizá-lo. Para quebrar a pedra, o médico pode recorrer a um laser. Na sequência, ele retira os fragmentos da pedra pelas vias urinárias do paciente.

Para se retirar um cálculo vesical, há duas possibilidades:

Incisão na bexiga

Este procedimento é mais invasivo e delicado. Geralmente, é recomendado nos casos de cálculos
muito grandes, em que a fragmentação e a retirada das pedras por meios endoscópicos são mais
difíceis. Neste tipo de cirurgia, o urologista faz um corte na bexiga e utiliza algum tipo de aparelho
para extrair a pedra manualmente.

Fontes: Sociedade Brasileira de Urologia; Guilherme Coaracy e Omar Fakhouri

Ibope: aprovação de 40%

A aprovação do governo de Jair Bolsonaro chegou a 40%, segundo pesquisa do Instituto Ibope divulgada ontem. É o maior patamar alcançado desde o início do mandato. O levantamento ainda revelou que 29% dos brasileiros consideram o governo regular; e 29%, ruim ou péssimo. A margem de erro é de 2%. A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e feita entre 17 e 20 de setembro, com 2 mil pessoas em 127 municípios. No último levantamento, divulgado em dezembro, o mandatário tinha 29% de ótimo/bom. 31% consideravam o governo regular; 38%, ruim/péssimo e 3% não responderam. O Ibope também mostrou que a aprovação na maneira de governar do presidente também cresceu, passando de 41% para 50%. E a confiança em Bolsonaro subiu de 41% para 46%.

Publicidade
Publicidade

Mais Lidas