Connect with us

Cidades

FLÓRIDA: Novo proprietário da antiga Usina Floralco concede entrevista e fala sobre pagamentos e sua reativação

Publicado

em

A compra da Usina Floralco, o pagamento de credores e ex-funcionários, investimentos e expectativas de seu funcionamento, foram temas de uma entrevista concedida com exclusividade pelo empresário Fernando Pereira Lopes ao jornalismo do Grupo Folha Regional (jornal, TV e site).

Aproveitando a oportunidade, o empresário destacou que comprou a usina e terras em leilão realizado pela Justiça e que a quitou à vista, mesmo tendo um prazo de cinco anos para pagá-la.

Ele frisou também que os impostos da transação de compra também foram pagos à Prefeitura gerando receita aos cofres públicos.

https://media.giphy.com/media/gjwc7BFn7gnAmc6zbY/giphy.gif
“Foi sem dúvida mais um grande negócio que fiz com felicidade e com a ciência de que daria minha parcela para o crescimento da Cidade Amizade que tão bem me acolheu. Pagamos o valor do lance dado no leilão à leiloeira, cumprindo com a nossa parte”, destacou.

Fernando fez questão de esclarecer ainda que muitas pessoas procuram seus funcionários e até mesmo questionam o motivo pelo qual os funcionários, credores e empresas ainda não receberam suas dívidas junto à extinta Usina Floralco, porém, isso não depende dele e sim das autoridades e pessoas responsáveis por cuidarem deste processo.

“De minha parte foi pago o valor acordado. Não tenho nenhuma dívida ou encargo sobre a compra da usina que tenha que ser honrado com a população; a usina não possui devedores e o passado de dívidas ficou para trás começando uma nova história que estamos escrevendo com muito trabalho e dedicação”, frisou Fernando Pereira Lopes.

INVESTIMENTOS E GERAÇÃO DE EMPREGOS

O empresário relevou ainda, que desde a aquisição da empresa e suas terras onde pagou R$ 53 milhões, já foram investidos cerca de R$ 22 milhões no manejo de terras, plantio e cultivo de cana-de-açúcar e que este é o primeiro passo para se projetar o retorno das atividades da indústria de açúcar e álcool. Pessoas trabalhando, aquisição de combustíveis, materiais, equipamentos e mão de obra da cidade estão sendo priorizadas em todas as ações e serviços desenvolvidos. “Não compramos nada fora, exceto aquilo que não encontramos aqui em Flórida Paulista. De medicamentos a insumos de cultivo, tudo é adquirido no comércio floridense”, revelou.

 

O FUNCIONAMENTO DA USINA

Perguntado sobre a possibilidade de funcionamento da usina, o empresário também revelou que está em conversa com dois grandes grupos que mostraram interesse em reativar as atividades do parque industrial e que está otimista, sendo que inclusive já há uma planilha de custos para sua manutenção visando seu funcionamento.

A falta de matéria prima (cana) foi apontada como um primordial para o retorno das atividades.

“Estamos plantando, cultivando, adquirindo novas áreas, mantendo contato com proprietários rurais e buscando soluções para este importante detalhe, para que possamos contar com matéria prima, assim que haja o reinício da moagem seja por mim ou por qualquer outro parceiro investidor”, disse.

Finalizando, Fernando agradeceu ao apoio e todo o suporte da Prefeitura e Câmara Municipal, aos colaboradores e principalmente à população que acredita e que quer ver a “fumacinha” saindo novamente da caldeira da usina.

“Tenham certeza, ninguém mais do que eu está interessado em trazer de volta as atividades da usina e a prova disso é o alto investimento em canaviais. Estamos fazendo o possível para que isso aconteça, garantindo assim o progresso e uma mudança drástica e impactante na economia de Flórida Paulista”, finalizou.

 

Publicidade

Mais Lidas